varal de ideias


*A ENTREVISTA

 

Segunda-feira o telefone celular de Heloísa tocou. A editora responsável pela publicação de sua revista favorita, onde desde criança sonhou um dia trabalhar, lhe telefonou para marcar uma entrevista de emprego. Helô, jornalista desempregada há um ano e dez meses, se encheu de felicidade. A moça que sobrevivia entre um freela e outro, entre um calote e outro, havia reenviado mais de cem currículos dias antes.

Sem conseguir dormir a candidata escreveu em seu diário virtual até às 4h da madrugada quando deitou-se para dormir, ansiosa pela chegada da manhã seguinte. Levantou-se por volta das 9h, tomou uma ducha morna e demorada, vestiu-se com uma roupa leve, sentou-se à mesa e tomou o café preparado por sua avó materna, alimentou-se bem como de costume e telefonou para sua melhor amiga, queria ouvir dela um 'boa sorte'. Seu primeiro compromisso aconteceu às 10h da manhã daquele que seria um dia muito especial, acompanhou a vovó Mercedes no supermercado, chegou em casa, almoçou e calculou seus passos até o local da entrevista, tomou então outro banho, dessa vez vestiu-se como manda o figurino, faltando uma hora para o encontro saiu. O bate-papo com Bárbara, chefe de reportagem, estava agendado para às 14h.

O percurso não era longo e pelo horário não seria demorado. Em meia hora chegaria ao prédio da editora. No bolso o companheiro fiel, seu iPod, entre as favoristas uma regravação repetia, repetia e repetia, 'Dancing With Myself', na versão da banda francesa Nouvelle Vague. Enquanto ouvia o som de sua mais nova paixão musical viajava e observava rostos, gestos, jeitos, prestava atenção nas relações humanas e situações cotidianas das mais variadas dentro e fora do coletivo.

O encontro com Bárbara foi decisivo. Trataram de assuntos como sociedade, moda, música, cultura, experiências e aspirações profissionais. Se entenderam num piscar de olhos. Sorte de Helô, que conquistou a vaga. Ao sair da sala de sua chefe, por um minuto e só por um minuto Heloísa viu Daniel, a quem teve a chance de ser apresentada, na verdade já o conhecia de um encontro súbito, haviam também trocado e-mails recentemente, mas ele sequer imaginava que a moça com quem um dia havia conversado de maneira desinteressada estava diante de seus olhos.

Contente com a novidade Heloísa saiu da empresa à espera do dia seguinte. A volta para casa parecia não ter fim. Por volta das 18h a cidade estava o caos, furiosa com seus moradores, o mesmo trajeto demorou três vezes mais. Heloísa só pensava em trabalhar e, é claro, em Daniel.

*Continua quarta-feira da semana que vem...

(TODA QUARTA-FEIRA UMA NOVA IDÉIA AQUI NO VARAL)



Escrito por Marcela Fonseca às 20h18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Mulher, de 20 a 25 anos, Arte e cultura



Meu humor



Histórico


    Votação
    Dê uma nota para
    meu blog



    Outros sites
     Meu Orkut
     Som de Bamba
     Portal Literal
     TextoVivo / ABJL
     Intelecta City
     Ponto Final
     Picadeiro da Informação
     Escuta Zé!
     Mais Água No Feijão
     100 Crise
     No Mezanino
     Corpo Estranho No Sistema
     Drunk Memories
     Cordel da Muléstia
     Com Gás
     Last Letters
     Procurando a Poesia
     O Arroto
     Abstraktus
     Opas e Boas
     Blog Marcelo Melo
     Mundo Cão
     Um Cara Estranho